Ir para o site

Ir direto para o conteúdo

Blog Bem Zen

Intuição, dores, ressentimentos, escolhas… o que fazer?

Muitas pessoas me perguntam: Dr.Paulo como fazer a melhor escolha?

Bem a primeira coisa que posso te dizer é tomar as rédeas da escolha, colocar nela a sua responsabilidade, pois em geral  muitos entregam a responsabilidade para outros, como se o outro soubesse sobre sua vida, suas dificuldades ou a melhor direção a seguir, nada disso, só quem sabe é você , e olhe lá, as vezes ficamos tão perdidos, que nem nós sabemos ao certo, para isso se faz necessário respirar, acalmar a mente e buscar alguns processos mais lógicos para se chegar ao melhor caminho.

Eu vou te dizer três pérolas, que nunca me ensinaram, mas que eu aprendi com as mais complexas experiências da própria vida.

Primeiro, todas as respostas para nossas mais complexas perguntas estão dentro de nós, tudo esta aí, acredite, não se engane não, você já sabe, sabe muito bem o que tem de ser feito e o que não tem de ser feito, mas é claro que as vezes você esta apenas esperando, esperando por outros caminhos, ou mesmo que outras pessoas escolham o seu caminho, como diz o ditado popular, colocando o corpo fora.
Não faça isso, tome as rédeas, tenha coragem, força e fé.

Não se engane, você tem muita sabedoria, e ela esta dentro de você, então pare de procurar desculpas e faça o que tem de ser feito.

O segundo ponto é uma chave de ouro, vou te entregar , ela funciona em toda e qualquer situação, antes saiba de algo fundamental, uma escolha envolve centenas de pessoas, não pense que você decide algo e simplesmente acabou, nada disso, sua escolha gera uma rede nova de acontecimentos, direções e interações, o fluxo é esse, pois todos estamos conectados, todos vamos sentir, mudar,  reagir, então pense nessa pérola, se você quer escolher entre uma situação a ou b , escolha a que dê menos dor de cabeça no futuro, a que não vai causar um tremendo arrependimento lá na frente.

Tem muitas escolhas que vai te dar um prazer imediato, ótimo, mas isso passa, é a regra da sabedoria.

Veja o que fica. Lembre-se sempre disso.

Se você ver dor de cabeça a longo prazo, caia fora, essa é uma armadilha. Sempre!

Dor de cabeça, sofrimento, não condiz com boas escolhas.

O terceiro ponto, é , seja o que você escolher, algo você deixou para trás, uma outra escolha, e pelo amor de Deus, deixe ela lá trás mesmo, levante a cabeça e siga em frente.

As vezes escolhas boas exigem sacrifícios momentâneos, essa é minha dica.

Lembre-se : Sacrifícios momentâneos.

Quando chegar bem lá na frente você vai entender o que eu digo, é preciso de um tempo para que os valores reais perdurem, se mostrem, e brilhem.

Você está confuso ainda?

Respira, coloque no papel, isso mesmo, no papel, os prós e contras, deixe um pouco as emoções de lado, elas estão contaminadas, tente ser um pouco mais racional.

As vezes a razão dói pois ela acaba chacoalhando a ilusão, mas é isso mesmo.

Pense com muito carinho sobre isso.

E não se esqueça, escute o sussurro da intuição, é ela que te leva para as boas decisões.

A intuição não grita, quem grita é a mente, e a mente aliada ao desequilíbrio emocional não é uma boa bússola.

Caso sua escolha seja difícil, note que não há muitas escolhas fáceis na vida, e que com o tempo nós amadurecemos a tal ponto que não teremos tantas ilusões e assim as escolhas serão mais simples.

Apenas pare, respire e siga as dicas, não há como errar, só se você quiser aquela boa dose de dor de cabeça por um longo periodo em troca de algo tão momentâneo.

E em geral escolhas assim são feitas porque estamos com carência afetiva e baixa auto-estima.

Nem sempre é uma questão apenas de certo ou errado, as vezes envolve algo mais.

Pense bem.

Eu desejo , sucesso, em suas escolhas.

Dr.Paulo Valzacchi
Cursos especializados online aqui : http://pau524.wixsite.com/cursos

Categoria: Autoconhecimento, Comportamento, Mente, Mente, Fé e Comportamento, Qualidade de Vida Tags: , , , ,

O velho, o selo e a vida

Era um desses domingos de primavera, logo pela manhã eu já me encontrava na praça da Republica, aqui em São Paulo, palco de exposições de quadros, esculturas, artesanatos e uma infinidade incrível de pedras, cristais e suas belezas naturais.

Passando os olhos sobre algumas bancas, vi selos, moedas, dinheiro antigos e raros para vender, os colecionadores simplesmente se deliciavam, mas o que mais me chamou a atenção foi a de um velho, sentado no banco com seu pequeno álbum de selos em mãos.

Ele acabará de comprar um pequeno selo , ele abriu o álbum, puxou levemente a folha protetora, abriu o saquinho onde continha a sua preciosidade e com o auxilio de uma pequena pinça, ele simplesmente puxou o selo e o assentou em seu lugar de direito, ajeitou com um leve toque e como se uma brisa passasse, abaixou suavemente a película de proteção.

Em segundos pude presenciar algo simplesmente indescritível, ao mirar o álbum como se olhasse para um premio dourado, seus olhos simplesmente emitiram um brilho que há muitos anos não via , um brilho de ingenuidade, infância, de criança interior.

Aquilo me maravilhou e hoje parece que ainda sinto através de minha memória aquela sensação extraordinária que em segundos me contagiou, ele parecia como uma criança com seu álbum de figurinhas da copa, colando a ultima peça , a mais desejada, a melhor de todas.

Maravilhar-se, essa é a grande palavra, a maior de todas sensações.

Mas como tão pequena coisa podia causar um tremendo impacto desses?

- Não importava, o que importa é como podemos descobrir aquilo que nos entusiasma para a vida.

O entusiamo esta relacionado ao nosso processo de conhecer, de querer mais, de explorar, de aprender.

Naquele dia fui para casa totalmente maravilhado, nunca imaginaria que colecionar selos seria algo tão diferente do que minha percepção dizia.

Para mim colecionar selos era algo tedioso, mas depois de uma boa pesquisa , percebi que não é bem assim, selos tem tamanhos diferentes, tem rostos ou gravuras estampadas por um motivo, também as vezes poucos são impressos, no fundo você começa a pesquisar quem os inventou, porque aquela comemoração, porque são raros, enfim existe por detrás de cada selo, uma historia viva, uma referência, uma ideia guardada a ser saboreada.

Olhamos ao nosso redor e diante de tantas facilidades, como celular, computadores, fotografar a qualquer instante, e tantas outras coisas, e ainda assim não conseguimos nos maravilhar, não conseguimos acessar aquela nossa parte de explorar, desbravar o desconhecido e encher os olhos de vida.

Naquele dia, naquele momento em que pude presenciar um dos brilhos mais generosos, ingênuos e sublimes da vida, entendi que não há tempo para se maravilhar, não há motivo, não há nada, além de nossa grande vontade de buscar nas pequenas coisas o sabor de se viver intensamente,.

Se eu pudesse ter a ousadia de naquele instante me levantar e sentar-se ao lado daquele velho de olhos dourados, eu o faria e em suave tom diria apenas obrigado.

É hora de ir além, de transgredir as regras da ociosidade e buscar as infinitas e simples maravilhas da vida, esse é o meu convite à você hoje.

Categoria: Autoconhecimento, Comportamento, Mente, Mente, Fé e Comportamento, Qualidade de Vida Tags: , , , ,

Como chegar a paz interior!

Mente acelerada, quase a mil, dentro dela pressões, expectativas, culpas, cobranças, rigidez, perfeccionismo, informação, emoções em constante combate, tudo isso faz com que nosso cérebro aqueça, desarmonize, desestruture e não aguente a velocidade do ritmo sem entrar em stress.

Diante desse prognóstico simples no qual o seu senso comum pode verificar no dia-a-dia, fica fácil saber que precisamos de uma parada.

Talvez seja por isso que queremos buscar tanto a paz.

O que é a paz?

Podemos catalogar a paz como um estado de não conflito, de não guerra, mas para definir melhor dentro de nossos aspectos psicológicos, paz é um estado de calma, harmonia.

Perceba o quanto nós falamos sobre paz, o quanto desejamos esse estado e por vezes confundimos isso com várias outras coisas.

Paz não é a ausência de problemas, não é ter em mãos todos os nossos desejos concluídos, mas sim uma parada.

É diminuir o ritmo da mente, tanto racional, quanto emocional.

Por isso que muita gente gostaria de jogar tudo para cima e sair correndo, fugindo, para encontrar um cantinho e se alojar ai por alguns momentos,

Nesse caos diário, onde a mente trabalha quase que 24 horas por dia, há a necessidade de se parar, caso contrário, é certo que você terá a sua frente um caminhão de problemas, desde péssimas escolhas devido ao seu desequilíbrio emocional, até atitudes mal elaboradas ou pensadas.

Mas como podemos chegar nesse estado de pacificação da mente racional e emocional?

Tirar um momento para você, um momento para relaxar, para mudar o foco, sem forçar absolutamente nada e para meditar.

Meditar é observar, sem nenhuma percepção a vista, apenas sentar e deixar a pressão da mente fluir, como se você levantasse o pino da panela de pressão.

Observar é a palavra, assim a mente esvazia e retorna ao estado de fluidez , eliminando a sobrecarga.

Isso trás paz.

Um carro novo, um moderno celular, uma linda mulher, um grande emprego, uma aposentadoria, uma viagem não te trazem absolutamente paz se você carregar a sua mente repleta de caos consigo, é preciso relaxar, meditar, dançar com a harmonia.

Sem essa dança, suave, relaxante e revigorante, ficamos presos a este circulo infinito de stress.

Por isso para se pacificar mente e emoções é necessário a meditação, de forma ponderada, sem rigidez e com muita respiração, para alterar todos os padrões de loucura que vivemos no dia-a-dia.

eu desejo Paz a você, o seu encontro consigo mesmo.

Dr.Paulo Valzacchi

Categoria: Autoconhecimento, Comportamento, Mente, Fé e Comportamento, Qualidade de Vida Tags: , , , , ,

mensagem rápida: Abrace os sabotadores!

Você sabia que os sabotadores foram criados a muito tempo atrás por você mesma como um mecanismo de defesa e segurança, mas que hoje não realiza mais essa tarefa e acaba por dificultando o processo de atingir seus objetivos?
Pois bem, não dá para simplesmente acabar com eles, ELES FAZEM PARTE DE VOCÊ, é preciso primeiro reconhece-los, aceita-los e agradece-los, afinal eles fizeram parte essencial de uma fase da sua vida, tentando de algum modo protege-la.

( essa é a nossa nova abordagem, reconhecer algo que criamos mas que hoje não propicia os mesmos efeitos de ontem )

Quando se chega a esse momento, encontramos a libertação, e assim teremos melhores relacionamentos, empregos, abundância, saúde e uma vida melhor.

Reconheça cada um deles, acolha-os, entenda e se despeça de cada um deles.

Dr.Paulo Valzacchi
www.youtube.com/meupoder1

Categoria: Autoconhecimento, Comportamento, Mente, Fé e Comportamento Tags: , , ,

Sinta a tristeza, dê as mãos para ela, mas não a torne eterna em sua vida.

Bom dia, seja bem vindo ao Mensagens de sabedoria com o Dr.Paulo Valzacchi
também disponível em áudio no nosso canal www.youtube.com/meupoder1

Falamos muito sobre raiva, decepção, ressentimentos,  medos, tudo aparentemente tão negativo e hoje vamos falar brevemente sobre tristeza.

Tristeza é uma emoção, uma das emoções mais  negligenciadas, afinal quando você está triste, lá vem aquela ladainha das pessoas tentando a todo custo levantar seu astral, tudo bem que a intenção é boa e positiva.

Então observamos que na sociedade doentia em que vivemos não podemos estar triste.

Não podemos chorar.

Não podemos nos frustrar

Não pode isso e não pode aquilo, tem de ser tudo tão lindo.

Você precisa engolir tudo isso, fazer cara de boba e tudo bem, seguir em frente.

Mas ai deparamos com algo importante, as doenças começam no momento que reprimimos as nossas mais profundas emoções, então isso não vai ajudar.

Elas sempre de um modo ou de outro vem á tona, muitas vezes amplificada.

Estar triste é um momento de parada, é algo íntimo, interno.

Se você esta triste e sentir a tristeza,  ótimo

Se você esta triste e descartá-la, algo vai ficar mal resolvido.

O que é sentir a tristeza?
- É dar as mãos para ela e procurar saber de onde ela veio.

Daquele lugarzinho que ela saiu é justamente o espaço que você tem algo mal resolvido.

Não que precisamos matar ela não, precisamos sim, matar a vitima que em geral acompanha a tristeza.

Mate a vítima.

Por isso, nada de vitimismo, não há motivos,

Você apenas precisa sentir a tristeza, entende-la e assim de alguma forma crescer com ela.

Pense: Ela é importante, imagine se não houvesse tristeza, só alegria,

E ai você entra no velório de um amigo, e dá imensas gargalhadas, não seria algo estranho?

Seria praticamente uma loucura.

Mas espere lá, existe uma sabedoria integral na vida, que sempre nos diz:
Nem muito, nem pouco, por isso, tudo tem um limite, não dê força para a tristeza, não dê força para a raiva, para o medo, ou alegria, saiba ponderá-las, equilibrá-las, senti-las , entende-las, sem ferir ninguém, nem a si mesma.

Você esta triste?
Sinta , entenda-a, dê um tempo a si mesmo.
Não é preciso estar alegre  o dia todo , a vida toda, isso não existe,  isso é felicidade embalada, é a contaminação da doença da sociedade e da hipocrisia em nossa vida, seja você, mas pare e pense, não deixe as emoções dominar a sua vida, elas estão lá como um sinal e não como a sua companheira eterna.

Uma ótima reflexão.
www.meupoder.com.br

Categoria: Autoconhecimento, Comportamento, Corpo e Qualidade de Vida, Mente, Fé e Comportamento, Qualidade de Vida Tags: , , , , , , , ,