Ir para o site

Ir direto para o conteúdo

Blog Bem Zen

Sem limites, sem fronteiras

Lancei semana passada a pergunta: “Por que os mestres chamam a Iluminação ou o despertar de um ´estado de consciência plena´?”
Quando alguém vive (todos vivem assim, quase todos) a partir da IDENTIFICAÇÃO com o “fluxo incessante de pensamentos” (que é o que significa “mente”), estará limitado ao que a natureza da mente impõe: a mente julga, compara, viaja do passado para o futuro e nunca aterrisa no agora, duvida, alimenta sentimentos de superioridade…. A mente é um instrumento de medição e é recomendável que você não espere que ela faça outra coisa.
Que linda ferramenta para nossas habilidades, digamos, científicas: testar, comparar, projetar, dissecar, separar o que é X do que é Y! Que bom quando podemos fazer bom uso destas qualidades, sendo “senhores da mente” e não servos dela!
Você se torna um servo da mente quando se identifica com o fluxo permanente de julgamentos e comparações e crê em “eu sou o que penso”. Você cai numa “realidade relativa” que não é nada benéfica ao seu bem-estar, à busca da paz e da tranquilidade. Por que?
Porque tal identificação leva a um sentimento de SEPARAÇÃO para com os outros, para com a natureza, para com o cosmo, para com Deus…Você cria fronteiras, barreiras, bloqueios! Identificado com o que você considera “minhas idéias, meus conceitos, meu ponto de vista”, você inevitavelmente entra num espaço de luta pela sobrevivência destas idéias porque elas se tornam “minha identidade”.  O “outro” passa a ser uma ameaça a sua identidade e você então entra num estado de conflito (observe seus diálogos internos conflitantes), não conseguindo se alinhar com um estado de unidade.
Dou a este campo de identificação o nome “realidade relativa”, porque construída desde sua percepção particular, influenciada por sua história pessoal de vida, sua cultura, seus condicionamentos, seus quereres, suas dores, seus medoos, suas certezas…
A “consciência plena”, por sua vez, refere-se a uma consciência ilimitada, sem as fronteiras dos condicionamentos pessoais. Este campo é o da percepção da realidade como ela é, sem interferências da mente, sem os conflitos da permanente dualidade (aceito e não aceito, quero e não quero, gosto e não gosto, raiva e amor…). Para acessar este campo, há de cair o véu das criações mentais, geradas no fluxo de medições da mente. Só assim você viverá uma “consciência incondicional” (não sujeita às condições estabelecidas pela mente).
A prática da meditação e a Graça Divina haverão de tirar o véu de ilusões que encobre as consciências e nos levar, todos nós, ao reino do estado búdico de pura consciência para que haja paz e amor para todos!
Hari Om Tat Sat

* Observo que quase todos preferem me enviar comentários e reflexões por e-mail, ao invés de postarem aqui no blog. Uma pena, porque tenho recebido reflexões de gente que está em linda caminhada… Mas assim é, e para mim é uma alegria receber seus comentários e carinho. Sou grato a todos e a todas!

Sobre Swami Devam Bhaskar

Instrutor da Oneness University (Índia), consultor na área da comunicação para a transformação social e jornalista dedicado aos Direitos Humanos, Bhaskar é discípulo de Osho desde 1982. Viveu na comunidade de Rajneeshpuram em 84 e 85, onde entrevistou Osho em três oportunidades: duas vezes para o Correio Braziliense e uma vez para a Folha de S. Paulo. Osho lhe deu o nome Swami Devam Bhaskar (do sânscrito Divino Deus Sol). Em 2005 conheceu os avatares Sri Amma e Sri Bhagavan, fundadores da Oneness University (Universidade da Unidade) e em 2009 passou a ministar workshops de crescimento espiritual, incluindo iniciação dos participantes como Doadores de Diksha (a Benção da Unidade). Como jornalista (normalmente assina como Geraldinho Vieira), dirigiu a ong ANDI – Agência de Notícias dos Direitos da Infância (atualmente ANDI - Comunicação e Direitos) e escreve aos domingos para o Blog do Noblat sobre temas relacionados à agenda dos direitos humanos. Ainda sobre temas de espiritualidade, escreveu também para a revista Época Negócios, Guia Lotus, Jornal de Brasília e Correio Braziliense. Bhaskar vive na Chapada dos Veadeiros (Goiás), casado com a fotógrafa Mila Petrillo (Ma Anand Niranjana).

Comentários

  1. Alexandre Braha says:

    Grande Bhaskar… uma pessoa linda que jámais esquecerei na vida… Um “ser” iluminado…
    A “Realidade relativa” acaba sendo o nosso viver e o dia a dia…
    A “Conciencia Plena” ela tem que ser almejada e alcançada…
    As vezes não é facil…
    Bjs…
    Alex Braha – Araçariguama – SP.

  2. Amrit Jaganu says:

    Swami Bhaskar, consciência Plena, mente quieta, estado de iluminação, a muito buscamos, trabalhamos pra alcançar aquilo que parece estar tão próximo de nós. A mente pode criar muitas interferências sim, mas como vc diz pode também ser uma aliada, pois sem ela não temos a referência de não mente.
    j
    Jaganu

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>